sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

TRAPASSIONE - A arte das Novelas Brasileiras



   Nas férias, por possuir mais tempo, costumo fazer o que durante o ano não faço: andar arrastando o chinelo Havaianas, ver a chuva de verão cair, e, para realizar algo em família, assistir a novela das 20h. Embora eu só assista em janeiro, o pouco que acompanho permite-me dizer que os enredos geralmente são uma escola de ladroagem e traição. Exemplifico com a última novela do horário nobre, Passione, que irrigada de trapaças, jogos de interesses, e assassinatos, deveria chamar-se Trapassione. A freqüência que os maus exemplos são colocados em diversas novelas, por mais que seja somente ficção, torna os desvios de conduta normais para a nossa sociedade.
    A televisão tem o objetivo, além de informar e vender, entreter. No entanto, é triste pensar que famílias brasileiras esquecem seus problemas assistindo histórias feitas das tragédias da vida humana; talvez ao assistir essas novelas, seus problemas pareçam pequenos perto do que lhes é apresentado, e isso lhes gera conformismo perante sua realidade. (Aqui nos lembramos da velha política romana do Pão e Circo –' pois dando o que comer e do que se entreter, o povo permanece em silêncio ').
   O preocupante nessa situação é que o que é exibido na televisão de um país é reflexo do seu povo, pois se não tivesse nenhuma semelhança, a mídia não atrairia o seu público local. Pode-se comprovar isso comparando os seriados americanos e as novelas brasileiras: o forte nacionalismo da população estadunidense é percebido nas suas séries, pois o estilo de vida abordado é somente o do norte-americano. Já no Brasil, as novelas que fazem mais sucessos são aquelas que retratam as culturas da Ásia, da Europa, dos Estados Unidos, devido à prefência dos brasileiros pelo "importado". Outro fato são as comédias dos americanos que, fazendo sátiras do seu governo, desenvolvem o senso crítico da população. Na comédia brasileira, as sátiras são feitas do modo de viver dos próprios brasileiros, possibilitando o povo achar graça de sua desgraça.
   Encerro a análise sociológica, e coloco minha visão individual citando a passagem de Mateus 6,21 ‘Porque onde está o teu tesouro, lá também está teu coração’. Tu demonstras teus valores e princípios naquilo que te és precioso, no que te és importante, e no que te fazes bem. Cuides com o que tu deixas entrar em tua casa e no que despendes o teu tempo, pois há coisas,como o tempo e a essência,que são preciosas demais para desperdiçar.

Um comentário:

Luiza disse...

Concordo plena mente com o que tu escreveste Aninha.Confesso que sempre tive o habito de assistir novelas, pelo fato de estar com a família ás 21:00h sentada no sofá. Mas também digo que não aguento mais essas novelas que ao invés de instruí o ser humano á cultura, acaba levando-o a um mundo de mentiras e a tapar com a peneira o que realmente estão vivendo, consolando-os com a dor e com o desespero dos personagens.
Porque não fazer uma novela cujos protagonistas formam uma família que realmente se ama, que vai á missa, que vive o cristianismo e dá valor a vida?! Pouco interessante? As pessoas estão tão acostumadas a ver famílias desistruturadas que um lar verdadeiramente feliz virou algo sureal.
Bjks! Lu Bedin